skip to Main Content

Rubens Mano expõe a metamorfose da percepção

“Básculas” , o novo projeto de Rubens Mano, é poderoso. Quem o visita pode experimentar o que W. Benjamin denominou “metamorfose da percepção”.

O pensador usou a expressão nos anos 30 para falar do impacto da fotografia e do cinema; aqui, porém, estão em jogo nossas relações com a arquitetura e a fotografia, vale dizer com o espaço e a imagem.

O projeto suscita uma experiência única porque conduz o observador a perceber-se numa situação paradoxal, numa fissura ou espécie de intervalo criado na intersecção entre dois planos de realidade: o plano da materialidade do espaço e o plano imaterial da imagem.

Tal uma báscula, o espectador busca equilibrar-se entre um e outro, e é essa oscilação mesma que o faz perceber, por meio da imagem, o espaço abrindo-se infinitamente e, por meio deste, o poder da imagem.

Como se fosse papel da imagem levar o espaço a desdobrar-se, fazê-lo proliferar e imaterializar-se; como se fosse papel do espaço revelar a imagem, permitir a sua materialização.

Com rigor e sutileza, o artista apaga no observador a sensação muito contemporânea de esgotamento do espaço pelo acúmulo das imagens, substituindo-a pela impressão de que uma fecundidade originária regia, e sempre ainda pode reger, a relação entre os dois planos.

E então, a positividade dessa troca contagia o visitante, tanto mais que ele se vê inscrito nela material e imaterialmente, como corpo e como figura.

Não dá para descrever ou imaginar o que se passa, é preciso estar lá e experimentar.

É que Mano não expõe objetos de arte no espaço de uma galeria: sua arte consiste em expor-nos à potência do espaço e da imagem que, por também se acharem expostos a nós, atraem-nos para a fissura do intervalo, desencadeando-se o movimento da transformação.

É compreensível que não haja objetos ou representações: os elementos da câmera e os processos de geração da imagem fotográfica, que o espectador descobre percorrendo as salas, encontram-se ali como vetores.

A fotografia não se inscreve no espaço arquitetônico, mas vai maquiná-lo em sua dimensão constitutiva.

A dinâmica da produção de imagens passa a fazer parte da dinâmica do espaço construído, que agora deixa de ser dado para ser acionado, e acima de tudo, acionado pela nossa presença. Assim, sua construção se faz, se desfaz, se refaz junto com a nossa.

Num certo sentido, talvez “Básculas” seja um exemplo depurado de “site specific”, já que o trabalho foi feito para um determinado lugar, e não só revela a especificidade deste como ainda o faz “trabalhar”.

Rubens Mano - Sem Título - do Projeto Básculas, aço Inoxidável e ferro Ø125 X 40 cm, 2000 - exposição realizada na Oca, em celebração ao acervo do MAM-SP (2008)
Rubens Mano - Sem Título - do Projeto Básculas, aço Inoxidável e ferro Ø125 X 40 cm, 2000 - Coleção Inhotim

Mas pensando bem, a exposição é muito mais do que isso.

“Básculas” não pode ser recriado em lugar algum; e no entanto o que ali se cria extrapola os limites físicos da galeria e rompe o enquadramento das efêmeras imagens que a povoam, despertando a convicção que a fissura do intervalo pode habitar outros espaços, qualquer espaço.

Com “Detector de Ausências”, instalado no viaduto do Chá durante o Arte/Cidade 2, Rubens Mano mostrou que sabia interferir com maestria na relação entre o cidadão da metrópole e seu espaço urbano.

Com “Básculas”, feita a experiência, nossa relação com o espaço arquitetônico nunca mais será a mesma.

Publicado in

Folha de São Paulo, acontece, quinta-feira, 16 de novembro de 2000.

Nota: Exposição Rubens Mano na Casa Triângulo (r. Bento Freitas, 33, Vila Buarque, São Paulo), aberta até novembro de 2000.

Back To Top